27/09

Resultados da Copa das Confederações FIFA 2013 e perspectivas para a Copa do Mundo FIFA 2014 na pauta do 4° Papo de Negócio Sebrae 2014

Dival Schmidt

André Dantas

Sarah Albrecht

6o. Dia do Papo de Negócio Sebrae 2014 (27/9)

O Papo de Negócio Sebrae 2014 sobre os resultados da Copa das Confederações FIFA 2013 e as perspectivas para a Copa do Mundo FIFA 2014 chegou ao fim.

Leia o resumo dos vídeos de despedida dos nossos convidados e fique atento às próximas edições do Papo de Negócio Sebrae 2014.

Dival Schmidt

No último dia de Papo de Negócio, Dival Schmidt, economista e coordenador do Programa Sebrae 2014, lembrou as ações do Observatório de Negócios, que acompanhou o desempenho de empresas em três cidades-sede (Recife, Belo Horizonte e Rio de Janeiro) da Copa das Confederações FIFA 2013 e também o esforço do Programa Sebrae 2014 de estimular as empresas a inserir suas iniciativas empresarias no contexto da Copa do Mundo FIFA 2014, observando as oportunidades sempre sob a perspectiva da longevidade dos negócios.

“O que nós buscamos é trazer as empresas para uma arena de negócios, preparando-as, tornando-as mais competitivas e estimulando para que haja sempre uma ação empresarial responsável”, afirmou. Dival Schmidt também sugeriu que os pequenos empresários avaliem, planejem e percebem as oportunidades sempre associadas à mitigação de riscos.

O coordenador do Programa Sebrae 2014 agradeceu a todos que participaram do evento e aos demais convidados do Papo de Negócio Sebrae 2014, lembrando que outras temáticas já estão sendo preparadas para novas edições do bate-papo virtual. Ele também convidou os empreendedores a conhecer e a acompanhar o portal do Sebrae (http://www.sebrae.com.br) e o site do Programa Sebrae 2014 (http://www.sebrae2014.com.br), além de acessar ferramentas como “Ideias de Negócios” e “Central de Oportunidades”, que buscam contribuir para a realização de negócios.

André Dantas

Em seu vídeo de encerramento, André Dantas, analista técnico e gestor do projeto de inteligência em mercados da Unidade de Acesso a Mercados e Serviços Financeiros do Sebrae, agradeceu a participação de todos que enviaram perguntas e assistiram aos vídeos.

Sobre a indústria de meios eletrônicos de pagamento, Dantas afirmou que se trata de uma indústria robusta no País. “Estamos falando de uma indústria que movimenta algo em torno de R$ 850 bilhões por ano e que, certamente, no ano que vem, será impulsionada ainda mais pelo evento Copa do Mundo, que trará turistas do mundo inteiro para o nosso País e que, prioritariamente, usarão cartões de crédito e de débito”, alertou.

Dantas reforçou ainda que o legado de utilização de cartões de pagamento ficará para além de 2014, tendo em vista que eles compõem “uma moeda bastante representativa”.

“Tenha a certeza de que, com a implementação de cartões de pagamento em seu estabelecimento comercial e com a revolução que tem sido proporcionada pela diminuição de custos, pela diminuição das taxas de administração e de aluguéis e pelo advento de novas ferramentas de captura, como é o caso das capturas via celular, certamente estaremos formando uma grande rede para atender bem não somente o turismo estrangeiro, mas também o público brasileiro que, cada vez mais, utiliza esse meio eletrônico de pagamento”, finalizou.

Sarah Albrecht

Em seu vídeo de despedida, Sarah lembrou o objetivo da dinâmica cliente oculto realizada durante a Copa das Confederações FIFA 2013 que foi avaliar como estava a atuação dos pequenos negócios e se essa atuação condizia com a expectativa do cliente estrangeiro que estará no Brasil o ano que vem para a Copa do Mundo FIFA 2014. Segundo ela, a Copa das Confederações foi considerada uma fase de teste, na qual foi possível avaliar vários pontos e agora tem-se um ano até a Copa do Mundo FIFA 2014 para fazer correções.

“Em um balanço geral, pudemos detectar que mais uma vez, nós brasileiros, temos qualidade no nosso atendimento. É emocionante ver como o povo brasileiro trata bem o cliente estrangeiro quando ele vem aqui no Brasil. Isso faz com que consigamos driblar algumas barreiras. Mas é importante ser racional, algumas delas não serão resolvidas, como é a questão dos idiomas. O que precisamos fazer é encontrar caminhos e ferramentas para solucionar esse problema de idiomas, por exemplo. E isso o brasileiro faz muito bem. A gente usa a criatividade e conseguimos encontrar novas formas de se comunicar com esse público, ressaltou Sarah”.

Outro fator importante lembrado por Sarah foi a questão da brasilidade, “nós precisamos saber o que é característico da identidade nacional, não ter vergonha de ressaltar essas nossas características e sempre tratar de reforçar isso para o público estrangeiro, seja na gastronomia valorizando a nossa regionalidade, seja no vestuário destacando as nossas cores e estampas, seja no atendimento destacando a nossa alegria, pois na verdade o público estrangeiro vem para o Brasil esperando isso. Por exemplo, à noite ele quer escutar a nossa música típica que a gente muitas vezes deixa de mostrar. Então, o importante é sempre destacar a brasilidade, a sustentabilidade. Em um restaurante, se eu consigo dizer que aquela mesa é feita de madeira brasileira, de um estado específico brasileiro, que ela é processada por uma comunidade, que isso ajudou essa comunidade a se manter. Enfim, toda informação que a gente conseguir passar para esse turista vai contar positivamente para o nosso negócio. Como comunicadora, eu tenho que dizer que nós já temos vários produtos prontos, a brasilidade está inserida. O que a gente peca é na hora de transmitir essas características para o nosso cliente. O importante é identificar o que já está no nosso produto e conseguir passar isso de uma maneira fiel, destacando a identidade nacional.”

Sarah terminou sua fala passando seu email para os leitores (sarah.albrecht@atcm.com.br) e se colocou à disposição para responder mais dúvidas dos empresários.

Anúncios