25/09

Resultados da Copa das Confederações FIFA 2013 e perspectivas para a Copa do Mundo FIFA 2014 na pauta do 4° Papo de Negócio Sebrae 2014

Dival Schmidt,

André Dantas

Sarah Albrecht

4o. Dia do Papo de Negócio Sebrae 2014 (25/9)

No quarto dia do Papo de Negócio Sebrae 2014, os convidados abordaram assuntos referentes à divulgação das ações de turismo, ao pagamento de taxas de cartões de crédito e aos exemplos de soluções inovadoras para ultrapassar a barreira do idioma com turistas estrangeiros.

Dival Schmidt

O economista e coordenador do Programa Sebrae 2014, Dival Schmidt, respondeu a uma pergunta sobre estratégias de divulgação do megaevento junto aos turistas estrangeiros. Segundo ele, a expectativa é que o País receba, no período da Copa do Mundo FIFA 2014, cerca de 600 mil turistas estrangeiros.

“A estratégia fundamental é hoje operada com eficiência pela política pública brasileira, principalmente pela Embratur, através dos escritórios, através de ações em países emissores, fortalecendo a divulgação e criando um boa expectativa com relação ao interesse da vinda de turistas estrangeiros ao País”, afirmou Schmidt, lembrando que o megaevento deve ser usado como plataforma para atrair o fluxo de turistas de forma sustentada e não apenas como única estratégia de divulgação do País.

O coordenador do Programa Sebrae 2014 destacou ainda que é importante que as cidades e os estados fortaleçam seus serviços de receptivo e que as empresas se preparem para atender bem aos visitantes. “O Brasil é um país com uma diversidade muito grande, tem características singulares. Uma das coisas mais importantes é que, em pequenos territórios, temos experiências em muitos segmentos turísticos, o que é um diferencial em relação a outros países”, ressaltou. Ele acrescentou ainda que é preciso aproveitar essa diversidade e integrar os diferentes serviços oferecidos e buscar proximidade com o órgão oficial brasileiro que promove o turismo internacional no sentido de obter apoio na divulgação desses serviços.

Além disso, Dival Schmidt ressaltou que esse cuidado deve ser tomado também com os turistas brasileiros, “porque eles estarão, provavelmente, conhecendo novas cidades, novos produtos, novos atrativos pela primeira vez”. A expectativa é que a circulação de pessoas nas cidades-sede e regiões próximas ultrapasse o número de três milhões de pessoas.

André Dantas

O analista do Sebrae, André Dantas, respondeu à pergunta de uma empresária sobre as taxas e os juros cobrados pelos cartões de crédito. Dantas explicou que as credenciadoras cobram do empresário, basicamente, três coisas: a taxa de administração, cobrada pelo valor das vendas; o aluguel da maquininha, que normalmente tem um valor fixo mensal; e os juros cobrados para que o empresário possa fazer a antecipação de recebíveis.

Sobre as taxas de administração, Dantas informou que, com a quebra da exclusividade, observou-se uma queda de, aproximadamente, 7% no valor dessas taxas. Segundo ele, é importante negociar com as credenciadoras e escolher aquela que consegue oferecer a menor taxa de administração. Já os aluguéis das máquinas tiveram uma redução de 10% no valor cobrado.

Com relação às taxas de juros cobrados para a antecipação de recebíveis, o analista sugere que o empresário avalie a necessidade de utilizar essa antecipação. Segundo Dantas, “ela não deve ser feita de forma permanente, de forma corriqueira”.  O empresário deve estar preparado para contar com o valor da venda somente dentro do prazo estabelecido com a credenciadora.

“Quando é que vale a pena você fazer uma antecipação de recebíveis e, portanto, pagar a taxa de juros que a credenciadora ou o banco estão lhe cobrando? Vale a pena quando você tem uma oportunidade, por exemplo, um desconto com um fornecedor para pagamento à vista”, alertou.

André Dantas finalizou sugerindo que os empresários entrem na página do Sebrae (http://www.sebrae.com.br), na área de acesso a serviços financeiros, para conhecer um guia prático sobre esse universo dos cartões e um simulador que ajuda no cálculo dos custos cobrados pelas credenciadoras.

Sarah Albrecht

No quarto dia de evento, a diretora executiva da Atalho Comunicação e consultora do Sebrae, Sarah Albrecht, continuou respondendo perguntas sobre a dinâmica de cliente oculto realizada pela sua empresa durante a Copa das Confederações. A pergunta respondida por ela hoje foi sobre as soluções inovadoras encontradas por parte dos pequenos negócios durante a realização da dinâmica.

Sarah respondeu que encontraram várias soluções inovadores. Ela citou o caso de um hotel no Rio de Janeiro que encontrou um jeito inovador para solucionar o problema do idioma.

“Na verdade, eu estava ansiosa por ver alguém dar esse tipo de solução porque é algo tão lógico e simples. Esse hotel nós visitamos pessoalmente pois a dinâmica de cliente oculto tem uma parte presencial e uma online, ou seja, a gente analisa a presença online da empresa pois partimos do princípio que o turista antes de vir ao Brasil, ele entra na internet, no site da empresa e avalia qual o posicionamento da empresa, se o site é atrativo. Na nossa visita nos detectamos que os funcionários desse hotel tinham uma grande dificuldade com idiomas, o que no caso do setor hoteleiro é um pouco grave. Nós telefonamos para esse hotel e a dificuldade foi a mesma. Mas quando nós tentamos entrar em contato com eles via internet, nos deparamos com um chat, que é uma coisa maravilhosa que eles têm. A gente consegue conversar ao vivo como se fosse um messenger (programa de mensagem instantânea). Isso dá tempo ao funcionário do hotel de procurar as respostas, traduzir as respostas para o inglês que foi o idioma utilizado nesse caso. Ele pode também perguntar para o colega a palavra que ele não sabia.”

A conclusão foi que o chat dá uma confiança muito grande para o turista estrangeiro que está pensando em vir para o Brasil e ficar hospedado naquele hotel. Isso porque ele consegue ter suas perguntas respondidas. Essa ferramenta também dá tempo ao funcionário para driblar o problema do idioma. Então, é usar a tecnologia a favor do empresário para supere esse problema.

Outra solução interessante foi dada por dois shoppings, um em Fortaleza e outro no Rio de Janeiro, na qual é oferecido um freetour aos turistas. Em Fortaleza, por exemplo, eles oferecem um folder em inglês que explica o serviço de pegar o turista no hotel e levá-lo ao shopping. O ônibus passa por vários hotéis da cidade, recolhe os turistas e leva até o shopping. Como o folder é em inglês, o turista pode ficar sabendo desse serviço e assim é facilitado também o acesso do empresário ao turista.

Outra solução encontrada foi de uma pizzaria que oferece uma pizza que é assada no carvão de bambu. Segundo Sarah, várias pizzarias oferecem a mesma coisa mas essa especificamente conseguiu uma forma de divulgar o serviço ressaltando a questão da sustentabilidade e  remetendo à brasilidade. A pizzaria colocou cartazes enormes dentro do restaurante que mostra o bambu desde o canavial, sendo cortado, no processo de desenvolvimento do carvão até o bambu dentro do forno assando a pizza. O nome da pizzaria também fazia menção a essa questão e pelas fotos foi possível destacar a identidade nacional e a sustentabilidade. Sarah lembrou “é importante dizer que não adianta o estabelecimento ter tudo isso e não informar ao turista”.

Anúncios